Companhia da Escalada no Canal Off

A Companhia da Escalada e alguns de seus guias aparecem no episódio 11 do Programa Picos do Brasil no Canal Off, que fala sobre as escaladas na Urca. Para assistir, basta sintonizar nos seguintes dias e horários:

04 Out 2013 – 19:30
06 Out 2013 – 08:30
07 Out 2013 – 04:30
07 Out 2013 – 13:00

Veja o trailer do programa e as fotos tiradas durante as gravações. (04.10.13)

[nggallery id=39]

Fabinho Muniz.

Fabinho MunizFabio Muniz, escalador há 20 anos, era o típico montanhista de bem com a vida. Sempre alegre, com uma imaginação fértil e muita sede de escalada. Era fera na escalada esportiva, mas ultimamente estava se dedicando também as grandes paredes e era uma companhia sempre agradável. Infelizmente parece que Renato Russo estava certo, os bons morrem jovens. Fabinho perdeu a vida em um acidente de bicicleta, na noite do dia 20 de fevereiro desse ano, mas continuará eternamente no coração de seus amigos e na história do montanhismo brasileiro. (26.02.13).

“Conheci o Fabinho quando ainda estava engatinhando na escalada, no início dos anos 90. Ele e toda aquela turma forte de Petrópolis. Estavamos sempre nos esbarrando em Petrópolis mesmo, no Cipó e nas esportivas. Nunca fomos de escalar muito juntos, Fabinho se dedicou mais a escalada esportiva e eu a parede. Mas nos últimos anos Fabinho estava curtindo escalar vias longas. Na verdade nunca havia deixado de gostar, era de Petrópolis, apenas tinha direcionado seu foco para outra escalada, que fazia extremamente bem, isso todo mundo sabe. Então escalamos algumas vias em Salinas juntos, fomos pra Pedra Riscada, na Bahia, e no ano passado na Oitavo Passageiro o no Atalho do Diabo, ambas no Corcovado. Era só o verão passar e com certeza iríamos escalar novamente. E agora não vamos mais. A não ser em lembranças. Fabinho tinha o apelido, Fabinho Viagem. É que ele estava sempre viajando. No sentido mais careta da palavra. Ele falava muito, era o tempo todo blá, blá, blá. Gostava de falar e brincar. Não demorava muito e vinha a famosa frase “Olha que viagem!”. E ai ele falava da textura da pedra, das agarras, da forma da montanha, das sombras na parede, de como seria a via, tinha a imaginação fértil! Era um ótimo parceiro de escalada, divertido escalar com ele. É assim que vou me lembrar do Fabinho.” (Flavio Daflon)[nggallery id=7]

O Gorila.

o-gorilaEsta é a primeira campanha de educação do site Acesso PanAm: a Campanha do Gorila. A idéia é passar as informações sobre a conduta em áreas de escalada de forma divertida para todos os países da América Latina. São cinco vídeos sobre temas de má conduta dos escaladores: Lixo, Banheiro, Atalhos, marcações de magnésio e crash pads. Muito bem feita, vale a pena ver os divertidos vídeos: Campanha O Gorila. Veja também o site do PanAm. (12.02.13).

Conquistas da CBME.

cbme-logoA CBME é o resultado de vários anos de trabalho voluntário de Montanhistas de todo o Brasil num esforço contínuo para institucionalizar e estruturar essa atividade que é a verdadeira matriz das modalidades hoje chamadas de Esportes de Aventura. Leia abaixo as cinco maiores conquistas da Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada.

1. Realização da 1a Semana Brasileira de Montanhismo (SBM)

Em 2012, celebramos 100 anos da conquista do Dedo de Deus, na Serra dos Órgãos (RJ), marco simbólico da prática de montanhismo no Brasil. Para festejar o centenário, a Confederação Brasileira de Montanhismo e Escalada (CBME) e a Federação de Montanhismo do Estado Rio de Janeiro (FEMERJ) organizaram a 1ªSemana Brasileira de Montanhismo, um grande evento realizado no Rio de Janeiro entre 23 de abril e 1º de maio de 2012.

A comunidade brasileira de montanhistas e admiradores do esporte se reuniu no bairro da Urca, um dos mais importantes centros de escalada do país. Ali, ao longo de nove dias, aconteceram eventos marcantes para a escalada e o montanhismo brasileiros: Campeonato Brasileiro de Escalada Esportiva, Cine Montanha na Praça, 25ª Abertura de Temporada de Montanhismo (ATM), Exposição “História do Montanhismo no Brasil”, Workshops de Segurança em Escalada, II Congresso Brasileiro de Montanhismo e Escalada, II Encontro de Parques de Montanha do Brasil, Cine Montanha na Praça, Curso de Acesso e Conservação em Áreas de Montanhismo e Palestras com grandes Montanhistas brasileiros e estrangeiros.

O evento como um todo teve dois objetivos importantes: (1) honrar o compromisso das entidades com a ética de montanha e a proteção do meio ambiente e (2) organizar o futuro do montanhismo e da escalada no Brasil.

Os resultados tangíveis e intangíveis foram muitos e dentre eles, podemos citar:

– Fim da obrigatoriedade da contratação de guias no Parque Nacional dos Veadeiros, o ícone mais significativo dessa prática que tolhe a liberdade dos montanhistas e diminui a experiência daqueles que não querem ter a obrigação de um ator externo na sua visita. Saiba mais sobre nosso posicionamento.

– Início das negociações para a liberação da escalada em Parques Estaduais Capixabas – Como fruto direto dos debates no 2º Encontro de Parques de Montanha e de um ofício enviado pela CBME e ACE (Associação Capixaba de Escalada), o Instituto Estadual de Meio Ambiente (IEMA, ES) abriu as portas para um Termo de Cooperação Técnica visando abrir os Parques Estaduais para escalada. A prática da escalada está proibida em todos parques do ES há cerca de 10 anos.

– Fortificação de parcerias com entidades como: Instituto Estadual do Ambiente (INEA-RJ), Instituto Estadual de Floresta (IEF, MG), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro.

Para saber mais sobre os resultados, acesse: Semana de Montanhismo.

2. Realização dos Campeonatos Brasileiros de Boulder e de Dificuldade 2012.

Com o apoio e organização da Adrena Esporte e Aventura aconteceram três etapas do Campeonato Brasileiro de Boulder: no Rio de Janeiro (abril), em São Bento de Sapucaí (junho) e em Belo Horizonte (agosto), valendo para o ranking Brasileiro de Escalada da CBME.

Nas 3 etapas, foi montada uma mega estrutura ao ar livre, onde os boulders das competições foram montados por André Berezoski Neto (Belê), o escalador paranaense e tetra campeão brasileiro eleito o melhor route setter do Brasil.

Como premiação das três etapas, o melhor colocado na categoria profissional Máster masculino e feminino, ganhou a passagem para o Campeonato Mundial em Paris (patrocínio: Adrena Esporte e Aventura) entre os dias 12 e 16 de Setembro de 2012 e representar o Brasil nesta importante competição, foram eles: Thais Makino, Felipe Camargo. Também no Campeonato Mundial de Paris obtemos o melhor resultado do Brasil em competições internacionais com o paraescalador Raphael Nishimura que ganhou a medalha de prata. Saiba mais em Adrena on Line.

Ainda, com o apoio e organização da academia ROKAZ de Belo Horizonte tivemos, em novembro, o Campeonato Brasileiro de Dificuldade,etapa única. Janine Cardoso foi a campeã feminina pela 9ª vez e Cesar Grosso, o campeão masculino pela 10ª vez.

3. Estruturação da Diretoria de Competições

As etapas do Brasileiro de Boulder e a etapa do Brasileiro de dificuldade deram um fôlego especial à Diretoria de Competição, agora sob o comando de Pedro Leite, que recentemente esteve em Santiago do Chile como delegado da equipe brasileira no Campeonato Panamericano, para conhecer a estrutura de competições da IFSC e onde o atleta Samuel Moreira ficou em sexto lugar na categoria Juvenil A.

Pedro está elaborando um planejamento a longo prazo para dar sustentação financeira e organizacional aos projetos da Escalada Esportiva.

4. Fim das dívidas com IFSC e UIAA

Com o balanço financeiro da SBM, a CBME terminou o ano de 2012 sem nenhuma dívida com as entidades internacionais de organização do esporte, IFSC e UIAA.

5. Publicação dos Princípios e Valores do Montanhismo Brasileiro

A CBME publicou o documento Princípios e Valores do Montanhismo Brasileiro, com o objetivo de nortear o desenvolvimento do montanhismo no Brasil e guiar futuras políticas relativas ao uso recreativo de áreas de montanha, seja em Unidades de Conservação (UCs), propriedades privadas ou áreas devolutas (áreas públicas).

Os princípios estão organizados de modo a tratar os principais temas relacionados à prática do Montanhismo no Brasil: acesso às áreas de recreação em montanha, direito de acesso, acesso responsável, direito ao risco, responsabilidade individual, recreação com a menor restrição possível, taxas de entrada e concessão de serviços, responsabilidade civil, liberdade, autonomia, desafios naturais, e o compromisso com o meio ambiente.

Cabe ressaltar que a CBME reconhece que a escalada e o montanhismo são atividades de risco e podem ocasionar lesões, incluindo a morte. Todos os participantes dessas atividades devem ter conhecimento dos riscos envolvidos, minimizá-los e, por fim, aceitá-los, sendo responsáveis por suas próprias escolhas, ações, decisões e, consequentemente, sua segurança.

Veja mais e nos ajude a divulgar o site da CBME

 

PARTICIPE VOCÊ TAMBÉM DESSE MOVIMENTO!

Filie-se a um clube, associação ou federação de montanhismo e seja parte da solução.

Incentivo ao Montanhismo

Curso Basico de Escalada 14Decreto do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, dá livre acesso as montanhas e reconhece o montanhismo como uma atividade de valor cultural e esportivo para a cidade do Rio de Janeiro. Veja o decreto completo e todos os avanços que proporciona ao esporte.

Decreto disponível no site do Diário Oficial de 18/02/2010. www.rio.rj.gov.br/dorio

DECRETO Nº 31906 de 12 DE FEVEREIRO DE 2010. Dispõe sobre o Programa Municipal de Incentivo ao Montanhismo e dá outras providências.

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que a Cidade do Rio de Janeiro representa o berço do montanhismo nacional e é o principal centro de escalada do país, sendo um dos mais relevantes locais de prática do montanhismo no mundo;

CONSIDERANDO que a atividade de montanhismo é uma pratica tradicional na cidade, cujas primeiras manifestações datam do início do século XIX;

CONSIDERANDO que, historicamente, os montanhistas estão envolvidos na proteção e conservação dos ecossistemas naturais e, atualmente, se encontram representados por organizações civis estruturadas e participam ativamente como parceiras na gestão de áreas naturais protegidas;

CONSIDERANDO que no capítulo 13 da Agenda 21 é reconhecido que os ambientes montanhosos devem ser preservados e que os governos devem fortalecer as instituições e organizações da sociedade civil a eles ligados com o objetivo de gerar uma base multidisciplinar de conhecimentos ecológicos sobre as montanhas;

CONSIDERANDO que a sociedade organizada reconhece e apoia publicamente a importância dos ambientes de montanha em consonância com a iniciativa das Nações Unidas para o Ano Internacional da Montanha promovida em 2002;

CONSIDERANDO que as montanhas são elementos importantes na caracterização da paisagem carioca e ocupam lugar de destaque na divulgação da imagem da cidade como destino de turismo; e

CONSIDERANDO que a expansão imobiliária, em especial as próximas aos ambientes naturais, vem restringindo o acesso às áreas de prática de montanhismo.

DECRETA:

Art. 1.º Fica reconhecido o montanhismo como uma atividade de valor cultural e esportivo para a cidade do Rio de Janeiro, que propicia a interação com os ambientes naturais e colabora na sua proteção e conservação.

Art. 2.º É considerado livre o acesso às montanhas, paredes rochosas, praias, rios, cachoeiras e demais ambientes naturais propícios para prática de atividades de montanhismo, incluindo a escalada em rocha.

Art. 3.º Fica criado o Programa Municipal de Incentivo ao Montanhismo, a ser constituído de projetos e ações que serão concebidos e executados de forma participativa e integrada pela Prefeitura Municipal da Cidade do Rio de Janeiro, através da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer-SMEL, ouvida a Secretaria Municipal de Meio Ambiente-SMAC, e pela Federação de Montanhismo do Estado do Rio de Janeiro?FEMERJ.

Art. 4.º O Programa de Incentivo ao Montanhismo tem os seguintes objetivos:

I – mapear as áreas de interesse para a prática de montanhismo na cidade.
II – identificar as condições de acessos às áreas de interesse para a prática de montanhismo.
III – adotar as medidas necessárias para garantir o acesso livre e desimpedido às áreas de interesse para a prática de montanhismo.
IV – caracterizar os problemas ambientais das áreas de interesse para a prática de montanhismo e propor soluções para evitá-los ou mitigá-los.
V – apoiar outras iniciativas de apoio e divulgação à prática do montanhismo em todo o território municipal.

Parágrafo Único. A Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e a FEMERJ poderão celebrar Termo de Cooperação Técnica para execução do Programa de Incentivo ao Montanhismo.

Art. 5.º Caberá à SMEL, com apoio das Subprefeituras, coordenar a implementação do Programa de Incentivo ao Montanhismo, bem como promover articulação entre os executores dos projetos que o integrarão.

Art. 6.º As condições de acesso às áreas de montanha devem ser definidas de forma participativa entre os proprietários das áreas privadas, a FEMERJ e o Poder Público Municipal, observadas as práticas reconhecidas de mínimo impacto em ambientes naturais.

Art. 7.º Fica incluída no Calendário de Eventos Oficiais da Cidade do Rio de Janeiro a Abertura de Temporada de Montanhismo ? ATM, a ser realizada sempre no último domingo do mês de abril na Praça General Tibúrcio, Urca.

Art. 8.º Este decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 2010; 445º ano da fundação da Cidade
EDUARDO PAES
Prefeito do Rio de Janeiro

Vistoria na Urca

Escaladas no Morro da Urca“Em julho estive com o geólogo Luiz José Brandão, da GEORio para uma vistoria nos Morros da Urca e Pão de Açúcar. No Pão de Açúcar vistoriamos dois pontos críticos. O primeiro, uma pedra que apresenta um considerável balanço para fora, localizada em cima dos grampos do final da escalada do Costão (via normal). Segundo o laudo do geólogo, esta pedra não apresenta maiores problemas de estabilidade.

O segundo ponto, este sim crítico, trata-se da “Pedra Filosofal”, aquele bonito mirante no final da caminhada do Costão. Segundo o laudo, “Corresponde a um conjunto de blocos de rocha, apoiados parcialmente sobre o maciço e sobre solo litólico num trecho de encosta com cerca de 25° de inclinação. Na hipótese de uma movimentação, que só ocorreria sob chuvas intensas, o bloco atingiria a mata e eventualmente poderia chegar ao mar”. Resumindo e, segundo as palavras ditas na hora pelo Brandão, elas podem sim cair.

Terminamos a vistoria na Face Norte do Morro da Urca e o Brandão até ficou decepcionado pelo tamanho da famosa laca… achou que era bem maior (confesso que eu também achava). Segundo o laudo, “trata-se de um fenômeno habitual em maciços sujeitos a grandes variações térmicas e não havendo risco de cair na Rua Ramon Franco”. Esse sim possui um risco eminente de queda. O geólogo recomenda aos gestores da área (SMAC) e a FEMERJ, que informe aos montanhistas para não utilizarem essa área por risco de queda da laca a qualquer momento.”

Abraços,
Waldecy Mathias